Muito antes de todas as crises aparentemente insuperáveis da arte, Hegel iniciou seu curso de estética dizendo “A arte é, para nós, coisa do passado”. A! é um projeto que está disposto a investigar o paradeiro dessa frase nos dias de hoje. Está situada no ponto final do desenrolar de uma longa história, aflita com o “ataque do presente contra o resto do tempo”, dedicada a saber o que ficou para trás e o que teremos adiante. Mas é principalmente um espaço de convergência que pretende pensar a arte contemporânea e as artes na contemporaneidade, assim como, indissociavelmente, fazer uma reflexão sobre sua própria época. A! não compreende a sucessão de conflitos do modernismo como algo muito distante dos problemas-chave de hoje. Vemos em Marcel Duchamp, o “engenheiro do tempo perdido”, um satélite constantemente em órbita. Assim como o livro total de Mallarmé, o cinema de Eisenstein, Vertov e tantos demais. Estamos numa nova era? Pois, como disse Musil, “elas começam a todo instante”.

□ □ □ □

A! é uma revista-projeto, interdisciplinar, que busca congregar esforços provenientes de diversas áreas em torno de dois eixos: arte contemporânea e arte na contemporaneidade. Na ramificação acadêmica ela está aberta a contribuições inéditas em formas de artigos e resenhas, independentemente de área de pesquisa, instituição, ou titulação. Aceitamos trabalhos nos idiomas português, inglês, francês e espanhol.

A! não é apenas uma revista acadêmica. É um projeto mais abrangente, variado, que visa trabalhar questões sobre arte e contemporaneidade. Publicamos também estudos mais flexíveis, não submetidos à ordenação acadêmica, sob a categoria “Ensaios”; assim como entrevistas e traduções. Organizamos eventos, seminários, exposições e debates.

□ □ □ □

Chamada aberta para publicação nas edições n.08 (“Os objetos e as obras de arte”) + n.09 (“Temas marginais”) – envio de artigos até 15/09 e 31/10, respectivamente.